Seguidores

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

RESSACA EM CAPÃO DA CANOA - 26.02.2010

RESSACA DO MAR EM CAPÃO DA CANOA - 26.02.2010

RESSACA DO MAR EM CAPÃO DA CANOA - 26.02.2010

RESSACA DO MAR EM CAPÃO DA CANOA - 26.02.2010

RESSACA DO MAR EM CAPÃO DA CANOA - 26.02.2010 -

QUE SAUDADE DE CAPÃO NESTA ÉPOCA

Capão da Canoa, 25 de Fevereiro de 2010

Com muita alegria recebi por email enviado pelo Sr. Alexandre Fornari, as fotos abaixo e o texto que transcrevo na íntegra;

"Última prova para Capão da Canoa em Fevereiro de 1968, prova Antoninho Burlamaqui, onde o carro Protótipo Chrysler Regente de Breno Fornari chegou em 3ºlugar."

A foto colorida foi tirada com o Sr. Breno e seu carro, em um evento na Redenção em Porto Alegre
Foto com o Sr. Breno e seu carro, em um evento na Redenção em Porto Alegre

ÚLTIMA PROVA PARA CAPÃO DA CANOA EM FEVEREIRO DE 1968

ÚLTIMA PROVA PARA CAPÃO DA CANOA EM FEVEREIRO DE 1968

ANOS DOURADOS PARA O AUTOMOBILISMO EM CAPÃO - 1968

-

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

UM DE MEUS ÍDOLOS

Quem foi




Mohandas Karamchand Ghandi foi um líder espiritual e pacifista indiano. Nasceu na cidade indiana de Bombaim, no ano de 1869.



Durante a infância e adolescência foi educado na Índia. Quando adulto foi estudar em Londres (Inglaterra), onde cursou direito, formando-se advogado. Ao retornar para a terra natal, tornou-se membro do Supremo Tribunal de Bombaim.



Em 1893 mudou-se para a África do Sul para trabalhar como advogado. Atuou em defesa da minoria hindu que vivia neste país africano, lutando pelos direitos iguais.



Ideais defendidos



Em 1914 retornou para a Índia, onde começou uma campanha pela paz entre hindus e muçulmanos, que viviam em conflito.



Atuou também contra o domínio britânico na Índia. Gandhi defendia a criação de um estado autônomo na Índia. Em função destas posições foi preso várias vezes pelos britânicos.



Gandhi era contra a violência, defendendo as formas pacíficas de protesto como, por exemplo, greves, passeatas, retiros espirituais e jejuns.



Foi uma das principais figuras no processo de independência da Índia. Obteve bons resultados na pacificação entre muçulmanos e hindus. Porém, em 1948, foi assassinado em Nova Délhi por um extremista hindu. Passou a ser chamado de Mahatma (em sânscrito “grande alma”) Gandhi.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

UM DE MEUS ÍDOLOS

Quem foi




Ernesto Rafael Guevara de La Serna, mais conhecido como Che Guevara, foi um famoso revolucionário socialista do século XX. Argentino, nasceu na cidade de Rosário em 14 de junho de 1928. Faleceu em 9 de outubro de 1967, na aldeia de La Higuera (Bolívia).



Vida de Che Guevara



Nasceu numa família de boas condições sociais. Desde a infância sofreu com a asma e, por recomendação médica, sua família mudou-se para uma região de campo, próxima a cidade de Córdoba (região central da Argentina), que possuía o ar de melhor qualidade.



Desde a adolescência foi incentivado pelos pais a ler livros da biblioteca particular da família. Foi nesta fase que entrou em contato com a literatura socialista (Marx, Engels e Lênin).



Como o negócio da família estava indo mal, resolveu trabalhar ainda com 14 anos de idade. Sem largar os estudos, conseguiu um emprego numa Câmara próxima a cidade de Córdoba.



Em 1946, a família resolveu mudar para a cidade de Bogotá (Colômbia) e Che Guevara começou a cursar Medicina na Universidade. Nesta mesma época, conseguiu um trabalho numa tipografia. Fazia também trabalho voluntário numa instituição de pesquisas sexuais.



Com o final da Segunda Guerra Mundial, começaram os movimentos estudantis de protesto contra o governo populista argentino de Domingo Perón. Guevara participou destes protestos.



Em 1951, na companhia do amigo Alberto Granado, deu início a uma viagem de motocicleta para conhecer a situação política, social e econômica da América Latina. Visitou várias regiões carentes como, por exemplo, minas de cobre, povoados indígenas e leprosários. Ficou impressionado com a miséria e as péssimas condições de vida das camadas mais pobres da sociedade.



No ano de 1953, formou-se médico e retornou para a Argentina. Porém, passou a dedicar-se ao mundo da política. Neste mesmo ano, fez uma nova viagem pela Bolívia, Peru, Panamá, Colômbia, Equador, Costa Rica, El Salvador e Guatemala.



Após a viagem, conheceu Hilda Gadea, e com ela, teve a primeira filha, Hildita.



Entrada na guerrilha



Em 1954, conheceu, no México, Raúl Castro e logo depois o irmão Fidel Castro. Entrou para o grupo revolucionário de Castro, que se instalou na região de Sierra Maestra, em 1957. Pretendiam derrubar o governo de Fulgencio Batista, que era apoiado pelos Estados Unidos, e implantar o socialismo na ilha.



Após a vitória dos revolucionários, em 1959 e a implantação do socialismo em Cuba, Che Guevara tornou-se membro do governo cubano de Fidel Castro, exercendo as funções de embaixador, presidente do Banco Nacional e Ministro da Indústria.



Em 1961, Che visitou o Brasil e foi condecorado, pelo então presidente Jânio Quadros, com a Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul.



Che Guevara acreditava que a revolução socialista, contra o imperialismo comandado pelos Estados Unidos, deveria ser levada para outros países. Lutou no Congo (África) e depois foi para a Bolívia, onde estabeleceu uma base guerrilheira. Pretendia unificar os países da América Latina sob a bandeira do socialismo e invadir a Argentina.



Com pouco conhecimento do território e sem apoio dos camponeses e do partido comunista boliviano, sua luta tornou-se difícil. Foi capturado pelos soldados bolivianos, na selva de La Higuera (Bolívia), em 8 de outubro de 1967. No dia seguinte foi executado.



Frases de Che Guevara



- "O verdadeiro revolucionário é movido por grandes sentimentos de amor."



- "Há que endurecer-se, mas sem jamais perder a ternura."



- "A reforma agrária radical é a única forma de dar a terra ao camponês."



- "A revolução acontence através do homem, mas o homem tem de forjar, dia a dia, o seu espírito revolucionário."



- "A argila principal de nossa obra é a juventude. Nela depositamos todas as nossas esperanças e a preparamos para receber idéias para moldar o futuro."

UM DE MEUS ÍDOLOS

Líder negro e estadista da África do Sul


Nelson Mandela

18/07/1918, Qumbu, Umtata (ou Transkei)



Nelson Rolihlahla Mandela foi um líder rebelde e, posteriormente, presidente da África do Sul de 1994 a 1999. Principal representante do movimento anti-apartheid, considerado pelo povo um guerreiro em luta pela liberdade, era tido pelo governo sul-africano como um terrorista e passou quase três décadas na cadeia.



De etnia Xhosa, Mandela nasceu no pequeno vilarejo de Qunu, distrito de Umtata, na região do Transkei. Aos sete anos, Mandela tornou-se o primeiro membro da família a frequentar a escola, onde lhe foi dado o nome inglês "Nelson". Seu pai morreu logo depois, e Nelson seguiu para uma escola próxima ao palácio do Regente. Seguindo as tradições Xhosa, ele foi iniciado na sociedade aos 16 anos, seguindo para o Instituto Clarkebury, onde estudou cultura ocidental.



Em 1934, Mandela mudou-se para Fort Beaufort, cidade com escolas que recebiam a maior parte da realeza Thembu, e ali tomou interesse no boxe e nas corridas. Após se matricular, ele começou o curso para se tornar bacharel em direito na Universidade de Fort Hare, onde conheceu Oliver Tambo e iniciou uma longa amizade.



Ao final do primeiro ano, Mandela se envolveu com o movimento estudantil, num boicote contra as políticas universitárias, sendo expulso da universidade. Dali foi para Johanesburgo, onde terminou sua graduação na Universidade da África do Sul (UNISA) por correspondência. Continuou seus estudos de direito na Universidade de Witwatersrand.



Como jovem estudante do direito, Mandela se envolveu na oposição ao regime do apartheid, que negava aos negros (maioria da população), mestiços e indianos (uma expressiva colônia de imigrantes) direitos políticos, sociais e econômicos. Uniu-se ao Congresso Nacional Africano em 1942, e dois anos depois fundou com Walter Sisulu e Oliver Tambo, entre outros, a Liga Jovem do CNA.



Depois da eleição de 1948 dar a vitória aos afrikaners (Partido Nacional), que apoiavam a política de segregação racial, Mandela tornou-se mais ativo no CNA, tomando parte do Congresso do Povo (1955) que divulgou a Carta da Liberdade - documento contendo um programa fundamental para a causa anti-apartheid.



Comprometido de início apenas com atos não-violentos, Mandela e seus colegas aceitaram recorrer às armas após o massacre de Sharpeville, em março de 1960, quando a polícia sul-africana atirou em manifestantes negros, matando 69 pessoas e ferindo 180.



Em 1961, ele se tornou comandante do braço armado do CNA, o chamado Umkhonto we Sizwe ("Lança da Nação", ou MK), fundado por ele e outros. Mandela coordenou uma campanha de sabotagem contra alvos militares e do governo e viajou para a Argélia para treinamento paramilitar.



Em agosto de 1962 Nelson Mandela foi preso após informes da CIA à polícia sul-africana, sendo sentenciado a cinco anos de prisão por viajar ilegalmente ao exterior e incentivar greves. Em 1964 foi condenado a prisão perpétua por sabotagem (o que Mandela admitiu) e por conspirar para ajudar outros países a invadir a África do Sul (o que Mandela nega).



No decorrer dos 27 anos que ficou preso, Mandela se tornou de tal modo associado à oposição ao apartheid que o clamor "Libertem Nelson Mandela" se tornou o lema das campanhas anti-apartheid em vários países.



Durante os anos 1970, ele recusou uma revisão da pena e, em 1985, não aceitou a liberdade condicional em troca de não incentivar a luta armada. Mandela continuou na prisão até fevereiro de 1990, quando a campanha do CNA e a pressão internacional conseguiram que ele fosse libertado em 11 de fevereiro, aos 72 anos, por ordem do presidente Frederik Willem de Klerk.



Nelson Mandela e Frederik de Klerk dividiram o Prêmio Nobel da paz em 1993.



Como presidente do CNA (de julho de 1991 a dezembro de 1997) e primeiro presidente negro da África do Sul (de maio de 1994 a junho de 1999), Mandela comandou a transição do regime de minoria no comando, o apartheid, ganhando respeito internacional por sua luta em prol da reconciliação interna e externa.

Ele se casou três vezes. A primeira esposa de Mandela foi Evelyn Ntoko Mase, da qual se divorciou em 1957 após 13 anos de casamento. Depois casou-se com Winie Madikizela, e com ela ficou 38 anos, divorciando-se em 1996, com as divergências políticas entre o casal vindo a público. No seu 80º aniversário, Mandela casou-se com Graça Machel, viúva de Samora Machel, antigo presidente moçambicano.
Após o fim do mandato de presidente, em 1999, Mandela voltou-se para a causa de diversas organizações sociais e de direitos humanos. Ele recebeu muitas distinções no exterior, incluindo a Ordem de St. John, da rainha Elizabeth 2ª., a medalha presidencial da Liberdade, de George W. Bush, o Bharat Ratna (a distinção mais alta da Índia) e a Ordem do Canadá.
Em 2003, Mandela fez alguns pronunciamentos atacando a política externa do presidente norte-americano Bush. Ao mesmo tempo, ele anunciou seu apoio à campanha de arrecadação de fundos contra a AIDS chamada "46664" - seu número na época em que esteve na prisão.
Em junho de 2004, aos 85 anos, Mandela anunciou que se retiraria da vida pública. Fez uma exceção, no entanto, por seu compromisso em lutar contra a AIDS.
A comemoração de seu aniversário de 90 anos foi um ato público com shows, que ocorreu em Londres, em julho de 2008, e contou com a presença de artistas e celebridades engajadas nessa luta.

UM DE MEUS ÍDOLOS

John Fitzgerald Kennedy




(1917 - 1973)



34o presidente dos Estados Unidos (1961-1963) nascido em Brookline, Massachusetts, cujo governo foi marcado por uma série de acontecimentos históricos, como o lançamento de uma ambiciosa política trabalhista, o crescente envolvimento dos Estados Unidos no Vietnam, o fracasso da invasão de Cuba, a crise dos mísseis, a criação da Aliança para o Progresso e, finalmente, o seu trágico assassinato. Filho de uma rica e tradicional família católica, ligada ao Partido Democrata, morou em Boston e Nova York. Sua tese de graduação na Universidade de Harvard, Why England Slept (1940), atacou a falta de preparação militar do Reino Unido no período que precedeu a segunda guerra mundial. Com a entrada dos Estados Unidos no conflito, ingressou na Marinha e seguiu para o Pacífico. Ferido quando a lancha-torpedeira que comandava foi afundada pelos japoneses nas ilhas Salomão (1943), conseguiu salvar sua tripulação, foi condecorado e fez questão de voltar ao serviço ativo. Terminada a guerra iniciou a carreira política, como deputado (1946), e defendeu reformas sociais destinadas a proteger os setores menos favorecidos da população. Em 1952 elegeu-se senador pelo estado de Massachusetts e, no ano seguinte, casou (1953)com a bela jornalista Jacqueline Lee Bouvier Kennedy, a Jackie (1929-1994), com a qual teria dois filhos, Caroline (1957) e John Jr (1960), e comporia sua imagem pública de chefe de estado. Enquanto se recuperava de uma cirurgia escreveu Profiles in Courage (1955), com o qual venceu o Pulitzer Prize em história. Foi eleito (1960) o 35º presidente dos Estados Unidos, o mais jovem da história e o primeiro católico a ocupar o cargo, depois de vencer por pequena margem o candidato republicano, Richard Nixon. Apoiou uma expedição de cubanos exilados contra Cuba, no famoso episódio da invasão da baía dos Porcos, que resultou num grande fracasso. Ao descobrir (1962) que a União Soviética instalara mísseis atômicos em Cuba, pressionou e conseguiu que os mísseis fossem retirados. No ano seguinte, assinou o tratado de proscrição de testes nucleares com o Reino Unido e a União Soviética. Também na política internacional criou a Aliança para o Progresso, organização de ajuda aos países da América Latina e multiplicou o número de assessores militares americanos no Vietnam. Internamente, com seu irmão Robert Francis como secretário de Justiça, impôs medidas contra o racismo, o que lhe valeu o apoio dos negros e da população de origem latino-americana. Também durante seu mandato, a Casa Branca se caracterizou pelo alto nível intelectual e social das pessoas que cercavam o presidente e a primeira-dama. Desgraçadamente, em 22 de novembro (1963), durante uma visita à cidade texana de Dallas, com o objetivo de consolidar a unidade do Partido Democrata, foi atingido mortalmente na cabeça por um tiro, supostamente disparado por Lee Harvey Oswald, que, por sua vez, foi assassinado dois dias mais tarde, dando margem a que a versão oficial fosse contestada por alguns, que viam no episódio sinais de uma conspiração.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Edifício Capão da Canoa

Edifício Capão da Canoa, no ról  dos mais antigos

Rua Sepé, rua mais movimentada da Capão da Canoa, à noite

Rua Sepé, pleno centro de Capão da Canoa

SICREDI

Prédio do Sicredi, visual moderno e muito bem localizado na avenida paraguassu

EDIFÍCIO MARISCO

Edifício Marisco, está incluido entre os mais antigos de Capão da Canoa

EDIFÍCIO YARA

Edifício Yara, está incluido entre os mais antigos de Capão da Canoa